HIDRATAÇÃO

April 3rd, 2017

A IMPORTÂNCIA DE SE HIDRATAR E COMO SE HIDRATAR

A água é o componente presente em maior quantidade no organismo. O corpo humano não possui reservas de água e por isso ela deve ser reposta para manter a saúde e as funções básicas do organismo.

Para um adulto em condições normais, a recomendação é de 35ml/kg de peso corporal, ou 2 a 2,5 litros de água por dia. Os riscos de uma desidratação no verão são maiores, por isso é preciso ficar atento com a ingestão. A desidratação ocorre quando você tem uma perda de água corpórea muito grande, através de uma ingestão insuficiente ou de uma perda excessiva, como por exemplo a transpiração.

A sede é uma das formas de controle da ingestão de água no organismo. A sede é estimulada quando a quantidade de água no meio extracelular diminui ou quando a água ou o sangue se tornam muito concentrados. A água também pode ser ingerida como parte dos alimentos, já que após a oxidação dos mesmos ocorre a liberação de água.

Se houver a prática de atividade física, a necessidade de água aumenta para repor as perdas com a transpiração e com a respiração. Muito da água perdida vem do sangue, levando a uma diminuição do fluxo sanguíneo, podendo prejudicar a função cardiovascular. Por isso é importante beber bastante água. Se o exercício for intenso, a reposição de líquidos deve ser freqüente. Com o aumento da temperatura corporal, o suor entra em cena para dissipar o calor e manter a temperatura do corpo.

Mas, os cuidados devem ser também com a qualidade da água e não só com o seu consumo. A água costuma ser o veículo de muitas doenças, como a diarréia. Para evitar esse e outros inconvenientes, somente consuma água filtrada ou fervida, tanto para beber como para o preparo dos alimentos. Os alimentos crus, como frutas, verduras e legumes devem ser lavados em água corrente, um a um e, em seguida, devem ser submersos em uma solução de hipoclorito de sódio a 200 ppm por 15 minutos.

 

Alguns tipos de bebidas e a sua relação com a hidratação

Refrigerantes

Os refrigerantes são considerados alimentos de “calorias vazias”, pois possuem apenas calorias e água na sua composição, não fornecendo nenhum nutriente a mais para o corpo. Além disso, são bebidas gaseificadas, o que pode causar desconfortos intestinais e tem uma absorção mais lenta, não sendo ideais para a hidratação.

Bebidas energéticas

São bebidas que contém cafeína, uma substância estimulante, grande quantidade de açúcar, por isso, o nome energético, devido a energia proveniente do açúcar, além de aminoácidos e vitaminas, entre outras substâncias. Devem ser consumidas com moderação e não com a finalidade de hidratação, pois a combinação açúcar e cafeína auxiliam na eliminação de água devido ao efeito diurético da cafeína e o aumento da sede.

Bebidas isotônicas

São soluções cuja concentração de moléculas (osmolalidade) é semelhante aos fluidos do nosso corpo. São usadas principalmente para repor água e sais minerais perdidos pela transpiração ou outras formas de excreção, pois não interferem no equilíbrio hidroeletrolítico do corpo. São bebidas isotônicas o soro caseiro, água de coco, e outros isotônicos industrializados como Gatorade, SportDrink, Marathon etc. Podem ser consumidos por praticantes de atividade física, mas gestantes, lactantes, hipertensos, diabéticos, celíacos e pessoas com doenças renais não devem consumir o produto industrializado.

Água de coco

Líquido riquíssimo porque contém muitos nutrientes. É considerado um isotônico natural já que apresenta vários eletrólitos como sódio, potássio, fósforo e cloro por isso possibilita uma absorção mais rápida, recuperando as perdas dos minerais. É um líquido perfeito para reposição de água e eletrólitos, perdidos em atividades físicas ou na desidratação. Também possui na sua composição carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas e fibras.

Suco de frutas

Ricos em vitaminas e minerais, os sucos de frutas fazem bem o papel de repositores hidroeletrolíticos, além de refrescantes, fornecem energia, acalmam e hidratam. Devem ser alternados com a água e não substituí-la.

Água

O melhor nutriente para repor líquidos para o corpo. Não tem comparação com nenhuma outra bebida. Água sempre.

DIA INTERNACIONAL DA MULHER

March 6th, 2017

DIA INTERNACIONAL DA MULHER 

 

História do 8 de março

O dia 8 de março é o resultado de uma série de fatos, lutas e reivindicações das mulheres (principalmente nos EUA e Europa) por melhores condições de trabalho e direitos sociais e políticos, que tiveram início na segunda metade do século XIX e se estenderam até as primeiras décadas do XX.

No dia 8 de março de 1857, trabalhadores de uma indústria têxtil de Nova Iorque fizerem greve por melhores condições de trabalho e igualdades de direitos trabalhistas para as mulheres. O movimento foi reprimido com violência pela polícia. Em 8 de março de 1908, trabalhadoras do comércio de agulhas de Nova Iorque, fizeram uma manifestação para lembrar o movimento de 1857 e exigir o voto feminino e fim do trabalho infantil. Este movimento também foi reprimido pela polícia.

No dia 25 de março de 1911, cerca de 145 trabalhadores (maioria mulheres) morreram queimados num incêndio numa fábrica de tecidos em Nova Iorque. As mortes ocorreram em função das precárias condições de segurança no local. Como reação, o fato trágico provocou várias mudanças nas leis trabalhistas e de segurança de trabalho, gerando melhores condições para os trabalhadores norte-americanos.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, em homenagem ao movimento pelos direitos das mulheres e como forma de obter apoio internacional para luta em favor do direito de voto para as mulheres (sufrágio universal). Mas somente no ano de 1975, durante o Ano Internacional da Mulher, que a ONU (Organização das Nações Unidas) passou a celebrar o Dia Internacional da Mulher em 8 de março.

Objetivo da Data 

Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

 

Conquistas das Mulheres Brasileiras

Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.

 

 

DIA MUNDIAL CONTRA O CÂNCER

February 1st, 2017

FATORES DE RISCO E PREVENÇÃO PARA CÂNCER

Adotar hábitos saudáveis, evitando a exposição a fatores de risco, é a principal maneira de se prevenir contra o câncer e outras doenças, como cardiovasculares, respiratórias crônicas, renais e diabetes.

Conhecer os fatores que aumentam as chances de desenvolver essas doenças permite que as pessoas possam evitá-los, melhorando a qualidade de vida e reduzindo as chances de adoecer.

Os principais fatores de risco são tabagismo, alimentação não saudável e ingestão de bebidas alcoólicas. Radiação, infecções, exposição ocupacional a agentes cancerígenos e sedentarismo também estão relacionados ao câncer.

Agentes Contagiosos

A infecção por alguns tipos de vírus elevam o risco para câncer.

  • A infecção crônica pelo vírus da hepatite B e C está relacionada com a maioria dos casos de câncer de fígado. Estudos mundiais mostram que apenas 30% dos pacientes com este tipo de câncer não tinham marcadores nem para hepatite B nem para hepatite C.
  • Infecção pelo herpesvírus tipo II e papilomavírus humano, conhecido como HPV, está associada ao câncer do cólo do útero nas mulheres.
  • Infecção por H pylori a longo prazo é o principal fator de risco para câncer de estômago e pode ser responsável por 60% dos casos no mundo.
  • Infecção pelo HIV (Human Immunodeficiency Virus), que, associado a outros tipos, como o citomegalovírus e os herpesvírus I e II, pode desencadear o aparecimento de sarcoma de Kaposi, câncer de língua e de reto.
  • Infecção por HTLV-I, associado às leucemias e ao linfoma de linfócitos T.

Algumas dessas infecções são transmitidas através do contato com líquidos corpóreos, como secreções vaginais, sêmen e sangue.

Proteja-se contra o HPV e hepatite B

Estudos científicos mostram que a vacina contra o HPV é 100% eficaz na prevenção de lesões causadoras de câncer de colo do útero de origem viral. Em 2014, a rede de saúde pública (SUS) passou a disponibilizar vacina contra HPV para meninas de 11 a 13 anos. A partir de 2015, começou também a ser oferecida para meninas de 9 a 11 anos.

Outra medida importante que as mulheres podem tomar para a prevenção do câncer de colo do útero é a realização periódica do exame preventivo, conhecido como Papanicolau, durante as consultas regulares ao ginecologista. Através dele, é possível identificar e tratar lesões precursoras desse tipo da doença.

A vacina contra a hepatite B, associada aos casos de câncer de fígado, também faz parte do calendário de vacinação da criança, do adolescente e do adulto e está disponível no SUS. Todo recém-nascido deve receber a primeira dose, preferencialmente nas primeiras 12 horas de vida. Além disso, também devem ser vacinados profissionais que atuam na área da saúde, coletores de lixo hospitalar e domiciliar, manicures, pedicures, podólogos, parceiros sexuais de portadores de hepatite B, entre outros.

O uso do preservativo é um método muito eficaz para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis. Tendo em vista que os vírus da hepatite B e C, relacionados ao câncer do fígado, e o do HPV, ao câncer de colo do útero, são transmitidos através do contato íntimo, a camisinha deve estar sempre presente nas relações sexuais, mesmo nos relacionamentos considerados estáveis.

Tenha hábitos sexuais saudáveis

O uso do preservativo é o método mais eficaz para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, inclusive do contágio pelo vírus do HPV, diretamente associado ao câncer de colo do útero. No entanto, outras características no comportamento sexual também aumentam o risco de câncer do colo uterino, como a promiscuidade sexual, a falta de higiene, a precocidade do início da vida sexual (antes dos 18 anos) e a variedade de parceiros.

Alimentação saudável

Muitos alimentos são associados ao processo de desenvolvimento de câncer, principalmente na mama, cólon (intestino grosso), reto, próstata, esôfago e estômago. O tipo de refeição, a frequência em que é ingerida e o modo de preparo podem aumentar o risco da doença.

Certos alimentos contêm agentes cancerígenos na composição e devem ser evitados. É o caso das carnes processadas, defumadas, curadas ou salgadas (carne de sol, charque e peixes salgados), os embutidos, como salsicha, linguiça, mortadela e salame.

As carnes grelhadas, em razão da exposição da proteína à alta temperatura, podem formar substâncias cancerígenas. No caso do churrasco, a carne é impregnada pelo alcatrão, proveniente da fumaça do carvão, o mesmo encontrado na fumaça do cigarro e que tem ação carcinogênica conhecida.

Pessoas acima do peso têm mais chances de desenvolver estas e outras doenças. Para saber se seu peso indica algum risco para câncer, calcule seu índice de massa corporal, conhecido pela sigla IMC. Dependendo do resultado, ele também sinaliza risco para doenças cardiovasculares.

Para calcular o IMC, é preciso saber o peso em quilogramas e a altura em metro. Quando o resultado está entre 18,5 e 24,9kg/m2 indica peso adequado para altura. No entanto, quando é maior, o sobrepeso está presente e pode afetar a saúde, aumentando o risco de câncer e outras doenças graves.

Alimente-se bem

O segredo para uma boa alimentação é o equilíbrio, por isso são indicadas cinco porções diárias de frutas, verduras e legumes.

Os grãos e cereais integrais diminuem o tempo de permanência de substâncias cancerígenas no organismo e, por isso, fazem muito bem à saúde. Beber leite e incluir derivados desnatados é sempre uma boa pedida. As frutas e as hortaliças são ricas em fibras e substâncias antioxidantes, consideradas de proteção contra o risco da maioria dos tipos de câncer.

Os alimentos cozidos ou assados devem ser priorizados. Outra dica é evitar os industrializados e, sempre que possível, preparar a sua própria comida.

A água facilita a absorção dos alimentos e diminui os riscos de infecções, pois desintoxica o organismo e contribui para fortalecer nossas defesas. Um copo de água ou de suco de fruta natural é mais saudável que bebidas com açúcar e refrigerantes.

Fatores ocupacionais

O câncer ocupacional surge da exposição por muitos anos a agentes carcinogênicos presentes no ambiente de trabalho, mesmo após interrompida a exposição, e representa de 2% a 4% dos casos de câncer. A localização do câncer ocupacional está associada ao local do corpo humano em que a substância entra em contato durante o processo do trabalho.

São diversos os agentes cancerígenos em ambientes de trabalho e, entre eles, os que guardam maior relevância para os casos de câncer ocupacional no Brasil são: tabagismo passivo, agrotóxicos (pesticidas, defensivos agrícolas etc.), amianto, sílica, radiação ionizante, radiação solar e benzeno.

– Tabagismo passivo: exposição à fumaça de produtos de tabaco (cigarro, charuto e cachimbo) em ambiente de trabalho. No Brasil, antes da atual lei federal, os garçons eram os principais afetados por essa condição.

– Agrotóxicos estão presentes na agricultura, na saúde pública (controle de insetos e pragas), no tratamento de madeira, no armazenamento de grãos e sementes, na produção de flores e na pecuária.

– Amianto ou asbesto: fibra de origem mineral presente nas telhas e caixas d’água. A exposição ocupacional é dada pela sua inalação durante a fabricação, causando lesões nos pulmões e em outros órgãos. Os trabalhadores envolvidos no seu manuseio durante a fabricação podem desenvolver o câncer de pulmão mesmo após 30 anos da interrupção da exposição.

– Radiação ionizante: está presente no diagnóstico de doenças através de radiografia (raio X), tomografia e mamografia, e no tratamento através de radioterapia e braquiterapia. O risco de câncer decorrente dessa exposição depende da dose, da duração da exposição, do sexo, da idade em que se deu a exposição e de outros fatores como, por exemplo, a sensibilidade dos tecidos frente aos efeitos carcinogênicos da radiação. Indivíduos que trabalham na indústria nuclear ou próximo a equipamentos que emitem radiação (por exemplo: em instituições médicas ou em laboratórios) estão expostos a este fator de risco.

– Radiação solar: os trabalhadores que desenvolvem atividades ao ar livre: agricultores, pescadores, guardas ficam expostos à radiação ultravioleta emitida pelo sol e podem desenvolver câncer de pele.

Os efeitos desses agentes cancerígenos no corpo humano podem ser potencializados se forem somados à exposição a outros fatores de risco para câncer.

Informe-se e proteja-se contra agentes cancerígenos no ambiente de trabalho

Os processos de trabalho devem ser pensados para que não haja a exposição dos trabalhadores aos riscos à saúde. Mesmo assim, muitas vezes é necessária a utilização de equipamentos de proteção individual (EPI), para evitar o contato do agente cancerígeno com o organismo do trabalhador. Os EPIs podem ser máscara, luva, avental de chumbo, óculos, entre outros, e dependem da forma como essa substância penetra no corpo humano.

Assim, algumas das medidas para prevenção devem abranger, entre outras específicas contra cada agente:

  • Remoção da substância ou agente cancerígenos dos locais de trabalho: alguns sistemas de circulação de ar evitam a contaminação entre os ambientes.
  • Uso restrito desses agentes para determinadas atividades com a adoção de níveis mínimos de exposição, associada ao monitoramento ambiental cuidadoso e redução da jornada de trabalho.
  • Instalação de filtros industriais para impedir a liberação de substâncias cancerígenas resultantes de processos industriais para a água, ar e solo.

Trabalhadores rurais devem estar atentos quanto à exposição ocupacional aos raios solares também, por isso devem incorporar EPI contra esse fator de risco, além daqueles indispensáveis contra os agrotóxicos, que contêm agentes cancerígenos. Por isso, o uso de camisa de manga comprida, chapéu de aba grande e filtro solar é indispensável para esses profissionais.

Ingestão de bebidas alcoólicas

O consumo de álcool está associado não só ao desenvolvimento de vários tipos de câncer, como também a mais de 200 doenças (cardiovasculares, mentais e hepáticas). De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o alcoolismo causa entre 2% e 4% das mortes por câncer, sendo fator de risco para o desenvolvimento de tumores na cavidade bucal, esôfago, fígado, reto e possivelmente mama, principalmente se o uso for combinado com o tabaco.

Os estudos apontam que o etanol, presente nas bebidas alcoólicas, parece ser propriamente o agente agressor, por isso o consumo de cerveja, vinho, cachaça ou outra forma de apresentação de bebida com álcool não é seguro. A substância psicoativa é capaz de produzir alteração no sistema nervoso central, podendo modificar o comportamento do indivíduo, além de causar dependência e a diminuição da coordenação motora.

Como a bebida alcoólica também reduz a percepção dos reflexos, é um dos principais motivos de acidentes de trânsito. Isto sem falar nos demais problemas sociais que estão associados ao consumo em excesso: homicídios, suicídios, faltas ao trabalho e atos de violência. Por isso, a dica é parar ou, pelo menos, evitar ao máximo ingerir álcool. Mulheres grávidas, crianças e adolescentes não devem consumir bebida alcoólica.

Levantamentos nacionais apontam que o álcool é a principal droga consumida entre jovens e a prevenção da iniciação em idade precoce pode evitar problemas futuros.

A ingestão de bebidas alcoólicas em qualquer quantidade e forma de apresentação pode levar ao câncer. Reduzir a frequência do consumo pode diminuir as chances de desenvolver a doença, mas a escolha mais saudável é não beber ou evitar ao máximo.

Radiação solar

De todos os casos de câncer registrados no Brasil, o de pele é o mais frequente e equivale a cerca de 32% dos tumores diagnosticados em todas as regiões do país. A exposição aos raios ultravioleta em horários de alta radiação é apontada como a principal causa do surgimento da doença, o que se agrava com a destruição da camada de ozônio.

Mais de 50% da população brasileira tem pele clara e se expõe muito ao sol descuidadamente, seja em razão do trabalho ou lazer. Além disso, o alto índice de casos de câncer de pele no Brasil também se deve à posição geográfica e, por isso, à incidência de raios solares.

O excesso de exposição solar na infância e adolescência está associado ao câncer de pele em adultos. Entre 10h e 16h, a radiação solar torna-se bastante perigosa, levando também ao envelhecimento precoce da pele.

Proteja-se do sol

Quanto menor a exposição solar excessiva durante a vida de uma pessoa, menor chance de desenvolver câncer de pele. As orientações a seguir devem ser adotadas por adultos e crianças:

Antes das 10h ou depois das 16h, a intensidade do sol é menor e o corpo passa a absorver melhor a vitamina D, o que garante ossos mais fortes, impedindo doenças como a osteoporose. Escolher esse período para se expor ao sol é uma atitude saudável.

No entanto, independentemente do horário, o uso da barreira física é recomendado. Por isso, na praia ou na piscina, use sempre bonés, chapéus e não se esqueça do guarda-sol. O protetor solar no corpo e nos lábios ajuda a proteger a pele da ação dos raios solares, e óculos de sol com filtro ultravioleta protegem contra lesões oculares.

No trabalho ao ar livre, além dessas dicas, não deixe de vestir camisetas de manga longa e calça comprida. Procure locais com sombra e, se possível, evite trabalhar nas horas mais quentes do dia.

Sedentarismo

Além de provocar o aumento de peso, o sedentarismo eleva o risco de desenvolver doenças crônicas como o câncer e deixa o indivíduo menos disposto para realizar as atividades do dia a dia.

Trinta minutos de atividade física diária já fazem toda a diferença. Trocar as horas na frente da televisão por atividades prazerosas sempre vale a pena: leve o cachorro para passear, caminhe pelo bairro, cuide do seu quintal e jardim, brinque com seus filhos e netos. Adotar a bicicleta como meio de transporte, descer alguns pontos antes ou depois e trocar o elevador pelas escadas são algumas escolhas saudáveis.

Uma conversa com um profissional de educação física sempre ajuda na escolha da atividade física mais adequada para cada pessoa.

A alimentação saudável e a prática regular de exercícios físicos são capazes de prevenir 30% dos casos de câncer no Brasil.

Tabagismo

Considerado a principal causa de morte evitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o tabagismo é responsável pelo desenvolvimento de aproximadamente 50 doenças, incluindo o câncer. A OMS estima que 4,9 milhões pessoas (mais de 10 mil por dia) morrem todos os anos em decorrência do cigarro, que contém cerca de 4.720 substâncias tóxicas, das quais pelo menos 70 são cancerígenas.

A última estimativa mundial apontou uma incidência de 1,82 milhão de novos casos para o ano de 2012. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), mais de 80% deles estão relacionados ao uso do tabaco.

A forma mais comum de usar o tabaco é através do cigarro, que mata metade dos seus usuários. Existem também charuto, cachimbo, rapé, narguilé e, mais recentemente, o cigarro eletrônico. Os dois primeiros aumentam o risco de desenvolver câncer na boca, faringe, laringe e esôfago.

Fumar não faz mal à saúde somente daqueles que fumam. A fumaça produzida pelo cigarro prejudica até mesmo quem não fuma e os coloca na condição de tabagismo passivo, que também aumenta o risco de câncer de pulmão, infarto e doenças respiratórias. As crianças estão expostas no ambiente doméstico quando têm pais ou responsáveis que fumam dentro de casa. Elas adoecem mais de infecções respiratórias e alergias, correm risco de morte súbita da infância e aumentam as chances de se tornarem fumantes na idade adulta. A gestante, mesmo que não fume, mas esteja exposta à fumaça, coloca em risco a gestação e a saúde do bebê.

No Brasil, o ato de fumar é responsável por:

  •  200 mil mortes por ano (23 pessoas por hora).
  • 25% das mortes causadas por doença coronariana – angina e infarto do miocárdio.
  • 45% das mortes por infarto agudo do miocárdio na faixa etária abaixo de 65 anos.
  • 85% das mortes causadas por bronquite crônica e enfisema pulmonar (doença pulmonar obstrutiva crônica).
  • 90% dos casos de câncer no pulmão (entre os 10% restantes, 1/3 é de fumantes passivos).
  • 25% das doenças vasculares (entre elas, derrame cerebral).
  • 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer (de boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero, leucemia).

Não fume e proteja-se da fumaça do cigarro

Deixar de fumar é uma das decisões mais importantes na vida de um fumante e para quem convive com quem fuma. Sempre vale a pena!

Estudos indicam que ex-fumantes precisaram tentar de 3 a 4 vezes até conseguirem parar definitivamente. Isso acontece porque o tabagismo é uma dependência. Um dos componentes do tabaco, presente no cigarro, cachimbo, charuto e outros, é a nicotina, responsável por essa dependência.

Parar de fumar requer planejamento e disciplina e os benefícios à saúde e bem-estar são sentidos logo nos primeiros momentos sem cigarros. Alguns deles são:

  • Em 20 minutos, a pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal.
  • Em 2 horas, não há mais nicotina no sangue.
  • Em 8 horas, o nível de oxigênio no sangue se normaliza.
  • Em 2 dias, os aromas e sabores dos alimentos são mais percebidos.

Outro fator positivo na cessação de fumar é a economia de dinheiro. Um ex-fumante que deixar de fumar 20 cigarros ao dia pode economizar cerca de R$150 por mês e, ao final de um ano, R$ 1.650,00.

* Dicas para deixar de fumar O primeiro e fundamental passo para deixar de fumar é realmente querer. Apesar de todas as campanhas e informações disponíveis, a decisão é individual e tem que partir do próprio fumante.

É importante saber que o momento de parar de fumar deve ser bem planejado. O fumante deve marcar uma data dentro dos próximos 15 dias e optar entre deixar de forma abrupta (a pessoa fuma normalmente e, no dia escolhido, ela não fumará mais nenhum) ou gradualmente. Caso seja de forma gradual, é importante estabelecer o número de cigarros a cada dia anterior à parada e seguir esta regra. Caso contrário, o método pode não funcionar.

Nos primeiros dias sem fumar, o corpo começa a se adaptar ao funcionamento normal na ausência da nicotina. Talvez seja necessário um tempo para que o organismo se acostume ao novo estilo de vida. Por isso, ele pode apresentar alguns sintomas causados por essa mudança, conhecidos como “síndrome da abstinência”, podendo ser dores de cabeça, formigamento das mãos e dos pés, tosse, ansiedade e, principalmente, uma vontade intensa de fumar ou “fissura”. Neste momento, é importante lembrar que:

  • Nem todo mundo apresenta essas reações. Cada organismo reage à sua maneira diante de uma situação;
  • Todos esses sintomas desconfortáveis desaparecem após uma ou duas semanas sem fumar;
  • Essa é uma reação natural do corpo, que está voltando a funcionar sem os malefícios do cigarro e essa vitória valerá muito a pena.

Para driblar a “fissura” algumas dicas podem ajudar: beber água gelada, mastigar canela em pau, cravo, cristais de gengibre, barra de cereais ou chiclete sem açúcar. Estes itens devem estar sempre à mão de quem está deixando de fumar. Praticar atividade física e receber apoio de familiares e amigos são grandes aliados e podem garantir o sucesso.

Profissionais de saúde sempre podem ajudar um fumante a deixar de fumar.

Mesmo sendo proibido fumar em ambientes fechados no Brasil, algumas pessoas ainda são fumantes passivas em casa ou no trabalho. Uma conversa com o fumante sobre os prejuízos à saúde de quem não fuma, causados pela fumaça do tabaco, é um bom começo na negociação para que ele fume somente em locais abertos. O mais importante é saber que o fumante tem uma dependência e deixar de fumar para ele pode ser difícil.

 

PRINCIPAIS TIPOS DE CÂNCER

  • Boca
  • Colo do útero
  • Colorretal
  • Esôfago
  • Estômago
  • Leocemia
  • Mama
  • Pele
  • Próstata
  • Pulmão
  • Tireoide

 

ESTIMATIVA DE CASOS NOVOS, EM HOMENS , NO BRASIL, 2016

Localização Primária

Casos Novos

Porcentagem %

Próstata

61.200

28,6%

Traquéia, Brônquios e Pulmão

17.330

8,1%

Cólon e Reto

16.660

7,8%

Estômago

12.920

6,0%

Cavidade Oral

11.140

5,2%

Esôfago

7.950

3,7%

Bexiga

7.200

3,4%

Laringe

6.360

3,0%

Leucemias

5.540

2,6%

Sistema Nervoso Central

5.440

2,5%

Linfoma não Hodgkin

5.210

2,4%

Pele Melamona

3.000

1,4%

Linfoma de Hodgkin

1.460

0,7%

Glândula Tireoide

1.090

0,5%

 

ESTIMATIVA DE CASOS NOVOS, EM MULHERES , NO BRASIL, 2016

Localização Primária

Casos novos

Porcentagem %

Mama feminina

57.960

28,1%

Cólon e Reto

17.620

8,6%

Colo do Útero

16.340

7,9%

Traqueia, Brônquio e Pulmão

10.890

5,3%

Estômago

7.600

3,7%

Corpo do Útero

6.950

3,4%

Ovário

6.150

3,0%

Glândula Tireoide

5.870

2,9%

Linfoma não Hodgkin

5.030

2,4%

Sistema Nervoso Central

4.830

2,3%

Leucemias

4.530

2,2%

Cavidade Oral

4.350

2,1%

Esôfago

2.860

1,4%

Pele Melanoma

2.670

1,3%

Bexiga

2.470

1,2%

Linfoma de Hodgkin

1.010

0,5%

Laringe

990

0,5%

 

COMBATE CONTRA AIDS

December 1st, 2016

Sabendo mais sobre Aids e HIV

A sigla AIDS significa Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. O vírus da Aids é conhecido como HIV e encontra-se no sangue, no esperma, na secreção vaginal e no leite materno das pessoas infectadas pelo vírus. Objetos contaminados pelas substâncias citadas, também podem transmitir o HIV, caso haja contato direto com o sangue de uma pessoa.

 

Após o contágio, a doença pode demorar até 10 anos para se manifestar. Por isso, a pessoa pode ter o vírus HIV em seu corpo, mas ainda não ter Aids. Ao desenvolver a Aids, o HIV começa um processo de destruição dos glóbulos brancos do organismo da pessoa doente. Como esses glóbulos brancos fazem parte do sistema imunológico ( de defesa ) dos seres humanos, sem eles, o doente fica desprotegido e várias doenças oportunistas podem aparecer e complicar a saúde da pessoa. A pessoa portadora do vírus HIV, mesmo não tendo desenvolvido a doença, pode transmiti-la.

 

Transmissão/ Contágio

O HIV pode ser transmitido pelo sangue, esperma e secreção vaginal, pelo leite materno, ou transfusão de sangue contaminado. O portador do HIV, mesmo sem apresentar os sintomas da Aids, pode transmitir o vírus, por isso, a importância do uso de preservativo em todas as relações sexuais.

Sabendo disso, você pode conviver com uma pessoa portadora do HIV ou da Aids. Pode beijar, abraçar, dar carinho e compartilhar do mesmo espaço físico sem ter medo de pegar o vírus da Aids.

Quanto mais respeito e carinho você der a quem vive com HIV/Aids, melhor será a resposta ao tratamento, porque o convívio social é muito importante para o aumento da auto-estima das pessoas e, consequentemente, faz com que elas cuidem melhor da saúde.

Principais Sintomas da Aids

 

Como já dissemos, um portador do vírus da Aids pode ficar até 10 anos sem desenvolver a doença e apresentar seus principais sintomas. Isso acontece, pois o HIV fica “adormecido” e controlado pelo sistema imunológico do indivíduo. Quando o sistema imunológico começa ser atacado pelo vírus de forma mais intensa, começam a surgir os primeiros sintomas. Os principais são: febre alta, diarreia constante, crescimento dos gânglios linfáticos, perda de peso e erupções na pele. Quando a resistência começa a cair ainda mais, várias doenças oportunistas começam a aparecer: pneumonia, alguns tipos de câncer, problemas neurológicos, perda de memória, dificuldades de coordenação motora, sarcoma de Kaposi (tipo de câncer que causa lesões na pele, intestino e estômago). Caso não tratadas de forma rápida e correta, estas doenças podem levar o soropositivo a morte rapidamente.

 

Formas de Prevenção

 

A prevenção é feita evitando-se todas as formas de contágio citadas acima. Com relação a transmissão via contato sexual, a maneira mais indicada é a utilização correta de preservativos durante as relações sexuais. Atualmente, existem dois tipos de preservativos, também conhecidos como camisinhas: a masculina e a feminina. Outra maneira é a utilização de agulhas e seringas descartáveis em todos os procedimentos médicos. Instrumentos cortantes, que entram em contato com o sangue, devem ser esterilizados de forma correta antes do seu uso. Nas transfusões de sangue, deve haver um rigoroso sistema de testes para detectar a presença do HIV, para que este não passe de uma pessoa contaminada para uma saudável.

 

Tratamento

 

Infelizmente a medicina ainda não encontrou a cura para a Aids. O que temos hoje são medicamentos que fazem o controle do vírus na pessoa com a doença. Estes medicamentos melhoram a qualidade de vida do paciente, aumentando a sobrevida. O medicamento mais utilizado atualmente é o AZT (zidovudina) que é um bloqueador de transcriptase reversa. A principal função do AZT é impedir a reprodução do vírus da Aids ainda em sua fase inicial. Outros medicamentos usados no tratamento da Aids são: DDI (didanosina), DDC  zalcitabina), 3TC (lamividina) e D4T (estavudina). Embora eficientes no controle do vírus, estes medicamentos provocam efeitos colaterais significativos nos rins, fígado e sistema imunológico dos pacientes.

 

Cientistas do mundo todo estão trabalhando no desenvolvimento de uma vacina contra a Aids. Porém, existe uma grande dificuldade, pois o HIV possui uma capacidade de mutação muito grande, dificultando o trabalho dos cientistas no desenvolvimento de vacinas.

Novembro Azul

November 9th, 2016

Câncer de Próstata

O que é o câncer de próstata?

É o tipo de câncer que ocorre na próstata: Glândula localizada abaixo da bexiga e que envolve a uretra, canal que liga a bexiga ao orifício externo do pênis.

Quanto mais avançado é um tumor mais mutações ocorrem, conferindo maior agressividade. Estas células se multiplicam mais velozmente que as células normais da próstata.

Estas células se multiplicam mais velozmente que as células normais da próstata. As células neoplásicas têm a capacidade de invadir os tecidos e se disseminam por órgãos distantes, seja por via linfática (comprometendo os gânglios) ou sanguínea (principalmente os ossos).

O câncer de próstata pode ser diagnosticado precocemente pela combinação de um exame de sangue, que avalia os níveis de PSA (do inglês prostate-specific antigen, antígeno prostático específico), e pelo exame de toque retal. Como a próstata fica logo na frente do reto, o exame permite que o médico sinta se há nódulos ou tecidos endurecidos, indicativos da existência de câncer, provavelmente em estágio inicial.

É bom lembrar que esses  exames não têm 100% de precisão e que a realização de novos testes vai depender  de vários fatores, entre eles sua idade e estado geral de saúde. Pacientes jovens com câncer de próstata que não é diagnosticado precocemente podem ter reduzida sua expectativa de vida, enquanto que em pacientes idosos com saúde já abalada o câncer de próstata pode nem ser um problema sério, já que seu crescimento é lento.

A recomendação-padrão é que homens saudáveis façam exames anuais de PSA e toque retal a partir dos 50 anos. Homens com risco maior (aqueles que têm parentes que tiveram câncer de próstata jovens) devem começar os exames mais cedo, aos 45 anos.

Exame de PSA

O PSA é uma substância produzida normalmente pela próstata, em grande parte presente no sêmen e uma pequena quantidade no sangue. Na maioria dos homens, os níveis de PSA estão abaixo dos 4 ng/numberamel (nanogramas por mililitro), mas o câncer de próstata pode aumentar essa taxa. Se o nível de PSA está entre 4ng/numberamel e 10 ng/numberamel, há 1 chance em 4 de câncer de próstata. Se o PSA está acima de 10 ng/numberamel as chances de ter câncer vão subindo à medida em que aumentam os níveis de PSA. No entanto, há homens com PSA abaixo de 4ng/numberamel que têm câncer de próstata.

Outros fatores também podem desencadear aumento nos níveis de PSA, entre eles, ter HPB ou infecção na próstata, tomar certos medicamentos e envelhecimento. Homens com PSA elevado precisam fazer outros exames para ver se realmente têm câncer.

O PSA também é útil após o diagnóstico de câncer de próstata, para determinar o tipo de tratamento. Níveis muito altos podem indicar que o câncer já se espalhou e algumas formas de tratamento não são eficazes nestes casos, havendo alternativas melhores. O teste de PSA também pode ser usado para verificar se o tratamento está funcionando ou se o câncer voltou. Nos casos avançados da doença, a maneira como os valores do PSA se alteram pode ser mais importante do que os índices propriamente ditos.

Exame de Toque Retal

É realizado na tentativa de identificar áreas irregulares ou endurecidas na próstata. É justamente na área da glândula que pode ser alcançada pelo reto que começa a maioria dos cânceres de próstata. O exame é rápido, não dói, embora cause um certo desconforto. O toque retal é menos preciso que o exame de PSA, mas às vezes é capaz de detectar tumores em homens com PSA normal.

Sinais e Sintomas

Em seus estágios iniciais, o câncer de próstata não costuma apresentar sintomas. Dificuldade para urinar pode ser sintoma de câncer, mas também de hiperplasia benigna. É recomendável consultar um urologista se o paciente apresentar os seguintes sintomas:

*Urinar pouco de cada vez;

*Urinar com freqüência, especialmente durante a noite, obrigando-o a se levantar várias vezes para *ir ao banheiro;

*Dificuldade para urinar;

*Dor ou sensação de ardor ao urinar;

*Presença de sangue na urina ou sêmen;

*Ejaculação dolorosa.

 

Outubro Rosa

October 4th, 2016

OS DIFERENTES TIPOS DE CÂNCER DE MAMA

O câncer frequente entre as mulheres é o de mama. Ocorre predominantemente depois da menopausa, sendo mais difícil sua incidência antes dos 35 anos. Homens também podem ter câncer de mama, embora seja bem mais raro.

Não se sabe exatamente as causas da doença, mas há alguns fatores de risco associados. Alguns podem ser controlados (evitando fumo, ingestão de bebidas alcóolicas e excesso de peso, por exemplo) e outros não, como idade e predisposição genética.

O sintoma mais comum de câncer de mama é o aparecimento de um caroço na mama, que pode ser percebido pela própria mulher ao se apalpar. Mesmo se este não for o caso, é importante ir ao médico (ginecologista, mastologista ou geriatra) regularmente e estar em dia com o exame de mamografia.

O câncer de mama pode ser classificado em diferentes subtipos, o que determina prognósticos e terapias distintas. As principais categorias são:

– Carcinoma ductal in situ – câncer de mama em fase inicial, que a princípio, não teria capacidade de desenvolver metástase;

– Carcinoma ductal invasivo – é o tipo mais comum. Pode desenvolver metástase;

– Carcinoma lobular invasivo – é o segundo tipo mais comum e está relacionado ao risco de desenvolvimento de câncer na outra mama e também ao câncer de ovário. Há possibilidade de desenvolver metástase.

COMO TRATAR O CÂNCER DE MAMA

As taxas de mortalidade da doença ainda são elevadas porque muitas vezes o diagnóstico é tardio, pois se diagnosticado e tratado precocemente, há boas perspectivas de cura. Os tratamentos clássicos são:

– Cirurgia – em tumores na fase inicial, é retirada uma parte da mama. Já em pacientes com tumores avançados, pode haver necessidade de retirada total da mama (mastectomia). Quando algumas células cancerígenas escapam do tumor da mama e migram para a axila, é realizada uma cirurgia para retirar um ou mais gânglios desta região;

– Radioterapia – indicada como tratamento complementar para todo paciente que fez a retirada parcial da mama;

– Quimioterapia – indicada quando o câncer se dissemina para outros órgãos (metástase), tumores com mais de cinco centímetros e três ou mais linfonodos axilares acometidos. Pode ser realizado antes ou após a cirurgia, variando em cada caso;

– Hormonoterapia – consiste em impedir, através de remédios, o estímulo hormonal nos tumores cujo crescimento é estimulado por hormônios, principalmente o estrogênio;

Após o fim do tratamento, o acompanhamento médico geralmente deve ser feito a cada seis meses nos primeiros cinco anos e anualmente após o quinto ano.

FATORES DE RISCO PARA O CÂNCER DE MAMA

– Histórico familiar de câncer de mama – Se sua mãe, irmã ou filha teve a doença especialmente antes dos 50 anos, isso é considerado um fator de risco.

– Idade – A partir dos 50 anos, há um risco maior de desenvolver a doença.

– Questões hormonais – Primeira menstruação precoce (antes dos 12 anos), menopausa tardia (depois dos 55 anos), primeira gravidez após os 30 anos, uso de contraceptivos orais e terapia de reposição hormonal pós menopausa.

– Já teve câncer em uma das mamas – Os riscos de desenvolver um novo câncerna mama oposta são maiores do que alguém que nunca teve câncer de mama.

– Radioterapia – Se você fez terapia de radiação para os seios antes dos 30 anos, você tem um risco aumentado de desenvolver câncer de mama.

– Diagnóstico de carcinoma lobular in situ – O crescimento anormal de células da mama indica elevado risco de desenvolver câncer de mama invasivo.

– Mamas densas – Tecido mamário denso está associado aocâncer de mama,

DESCOBRIR O CANCER DE MAMA DURANTE A GRAVIDEZ

Descobrir um câncer nunca é fácil e quando isso acontece durante a gravidez as preocupações são ainda maiores. Pode ser necessário tomar decisões difíceis, especialmente se há um conflito entre o melhor tratamento para a mãe e a segurança do feto. Mas é importante saber que há, sim, tratamentos eficazes e seguros para ambos.

Ter câncer de mama durante a gestação é muito raro, mas a tendência é que os casos aumentem no futuro. Isso porque as mulheres, cada vez mais, estão optando por ter filhos mais tarde e o risco da doença aumenta à medida que envelhecem.

DIAGNÓSTICO DE CÂNCER DE MAMA DURANTE A GRAVIDEZ

O diagnótico de câncer de mama em mulheres grávidas é frequentemente tardio. Como nessa fase a mama sofre mudanças naturais, ficando mais densa e dolorida, é muito mais difícil perceber sinais que podem ser da doença.

Nesses casos, a avaliação clínica das mamas pode confundir e é recomendado o ultrassom para investigar a possibilidade de um câncer. Portanto, fique atenta, converse com seu médico e tire todas as suas dúvidas.

Forma correta de lavar as mãos

July 13th, 2016

 

O contacto é a via de transmissão mais comum de germes através das mãos. A maioria dos germes é inofensiva para o homem, mas alguns podem provocar doenças, como por exemplo, constipações, gripes, diarreias.
Lavar as mãos correctamente com água e sabão é a forma mais simples e eficaz de ajudar a reduzir a transmissão da infecção e proteger-se a si e aos que o rodeiam.
É de vital importância que as crianças saibam os benefícios e a importância da correcta lavagem das mãos. Encorajá-las a lavar as mãos na altura certa vai ajudar a garantir que esta prática se vai tornar um hábito ao longo da vida.

 

Apenas demora cerca de 60 segundos para lavar as mãos correctamente. É o mesmo tempo que levamos a cantar “Parabéns a você” duas vezes seguidas.

Quando lavar as mãos?
Lavar as mãos deve fazer parte da rotina de todos nós, especialmente:• Antes de comer ou manusear os alimentos;

• Após ter utilizado a casa-de-banho;

• Após assoar o nariz, tossir ou espirrar;

• Após tocar em animais ou nos seus dejectos;

• Após manusear resíduos;

• Após mudar fraldas;

• Antes e após tocar em doentes ou feridas;

• Antes e após ir de visita a uma enfermaria (lembrar que também estão disponíveis soluções-alcoólicas para as mãos como alternativa).

 

Profissionais de saúde
• Sempre que as mãos estejam visivelmente sujas;

• Antes e após contactar com os doentes;

• Após contactos contaminantes (exposição a fluidos orgânicos);

• Após contactar com materiais e equipamentos que rodeiam o doente;

• Antes de técnicas assépticas (recomenda-se a desinfecção das mãos);

 

fonte: http://higieneduodifusao.blogspot.com.br

 

Ginástica Laboral no ambiente de trabalho.

July 6th, 2016

Em tempos de ritmos de vida acelerados, uma prática tem se destacado como forma de relaxamento e prevenção de doenças ocupacionais, a ginástica laboral. Esta prática de mais de 100 anos vem ganhando força no ambiente corporativo, uma vez que se detecta cada vez mais casos de stress e adoecimentos decorrentes do ritmo de vida apressado no trabalho. As mudanças empresariais decorrentes da globalização trazem muitas melhorias porém que vêm acompanhadas de maiores cobranças de rendimento e desempenho.

A ginástica laboral, nada mais é do que a prática voluntária de fazer atividade física, realizada pelos trabalhadores coletivamente, no próprio local de trabalho, durante a sua jornada diária, visando melhorar a condição física do trabalhador, com o objetivo de promover adaptações fisiológicas, físicas e psíquicas. A ginástica laboral não sobrecarrega nem cansa os colaboradores, pois é leve, com exercícios voltados para o relaxamento do corpo, de curta duração, com certa de 10 a 20 minutos de aula por dia entre os horários de intervalo, geralmente as 10 horas da manhã e as 16 horas da tarde.

As aulas são feitas por profissionais da área de educação física, contratados pela empresa para desenvolverem a ginástica laboral orientada para as atividades de trabalho realizadas por cada área da empresa, afinal cada ocupação requer cuidados diferentes, por tanto necessitam de mais ou menos aulas, mas geralmente as aulas acontecem duas vezes ao dia, de duas a três vezes por semana. Através de diferentes tipos de exercícios esses profissionais fazem com que os colaboradores se interajam, uma vez que as aulas geralmente acontecem por departamento, e diminuam a fadiga visual, corporal e mental por meio das pausas para os exercícios.

Os exercícios da ginástica laboral trabalham a reeducação postural, com exercícios para a coluna, costas e pernas, a consciência corporal, com exercícios de alongamento em que as pessoas passam a conhecer seus limites, as tensões acumuladas no trabalho, com exercícios para os ombros, exercícios de respiração e relaxamento. Essa atividade se mostra muito eficiente para aliviar estresse, diminuir o sedentarismo, aumentar o ânimo para o trabalho, prevenir lesões e traumas, como a LER (Lesão por Esforços Repetitivos) e Dort (Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho) causados por movimentos e esforços repetitivos decorrentes do trabalho.

Ao promover a ginástica laboral as empresas se mostram preocupadas com a qualidade de vida de seus colaboradores e com outros benefícios como a redução de faltas dos funcionários originadas por afastamentos por doenças ocupacionais,minimização de quedas e acidentes de trabalho, redução de custos advindos dessas situações. Essa prática proporciona ainda, aumento da produtividade decorrentes de melhora da atenção, concentração nas atividades desempenhadas, proporcionando maior disposição do funcionário e ainda melhora a imagem da instituição junto aos empregados e a sociedade.

Essa prática vem ganhando muitos adeptos devidos aos resultados proporcionados e com isso as empresas têm investido cada vez mais em práticas desse tipo que aliviam o trabalho e se tornam muito importante para o crescimento e desenvolvimento da empresa, afinal funcionários saudáveis, satisfeitos e motivados são essenciais para o bom rendimento da empresa.

 

Creditos:

(Joicy Cristina Ludovico da Rocha, graduanda em Administração pela Fasam – Faculdade Sul-Americana)

http://www.dm.com.br/

Zika Vírus

June 29th, 2016

Os sintomas da Zika incluem febre baixa, dor nos músculos e articulações, além de vermelhidão nos olhos e manchas vermelhas na pele. A doença é transmitida pelo mesmo mosquito da dengue, e os sintomas normalmente surgem 10 dias após a picada.

Normalmente a transmissão do Zika vírus ocorre através da picada do Aedes Aegypti, mas já existem casos de pessoas que contaminaram outras através do contato sexual sem camisinha.

Confira todos os sintomas para saber se está com Zika vírus

1. Febre baixa
2. Manchas vermelhas na pele
3. Coceira no corpo
4. Dor nas articulações e nos músculos
5. Dor de cabeça
6. Cansaço físico e mental
7. Vermelhidão e sensibilidade nos olhos

Transmissão do Zika vírus

O Zika vírus é transmitido aos humanos através de picadas do mosquito Aedes Aegypti, que geralmente picam ao final da tarde e à noite.

Remédios para tratar a Zika

O tratamento para Zika vírus é muito semelhante ao da dengue, no entanto, em caso de Zika vírus, o médico pode indicar o uso dos seguintes medicamentos:

 

• Analgésicos
• Anti-infamatórios
• Anti-alérgicos
• Colírio lubrificante

Além dos remédios, é importante descansar durante 7 dias e fazer uma alimentação rica em vitaminas e minerais, além de beber muita água, para se recuperar mais rápido

Fonte: Tua saúde

Exercícios no Frio !

June 16th, 2016

 

Nada dá mais preguiça do que malhar em um dia frio, não é verdade? Mas, saiba que este esforço poderá te trazer muitos benefícios, confira!

Não tem jeito! Até mesmo os mais apaixonados por malhação, sentem preguiça de se exercitar nos dias frios. Porém, apesar de se sentir muito mais atraído pela sua cama do que pela academia, a dica é que você lute contra os seus impulsos e mantenha a sua rotina de atividades físicas.

Para te ajudar a não cair em tentação, confira algumas vantagens de malhar no inverno:

– A queima de calorias é maior! Esta não é uma notícia maravilhosa de se receber? Com as baixas temperaturas, o nosso organismo necessita de mais energia para se manter funcionando. Logo, qualquer esforço que você faça, demanda um maior gasto calórico.

– Você evita problemas respiratórios, tão comuns durante os dias mais frios. A prática de exercícios ajuda o seu organismo a ficar mais resistente. A sua imunidade aumenta e você consegue ficar bem longe de gripes e resfriados! Mas, vale lembrar, que a alimentação também é fundamental para que isso aconteça!

– Durante este período, você pode dar uma turbinada no seu treino! Com o frio, o nosso corpo demora mais a ficar esgotado e o nosso batimento cardíaco se mantém mais baixo. Tudo isso favorece, e muito, o aumento do ritmo da sua malhação!

Dica importante!

Porém, uma dica muito importante, é em relação às roupas. Nada de optar por aquelas peças de algodão que impedem a evaporação do seu suor. O melhor mesmo é treinar com roupas de materiais sintéticos, como lycra, supplex e tactel.

Fonte: Sua Dieta